sábado, 22 de janeiro de 2011

Freja Beha Erichsen


True, true. I admit that I like the versatility that androgyny brings to a girl, especially if she's model.
Freja was discovered in Denmark, her origin country, by an agent who was passing by on a cab. In 2005, during autumn, the model did the catwalk in Paris and Milan for Prada, Louis Vuitton and Miu Miu when it was first released.
Freja was the face of several magazines and editorials, including Vogue, W Magazine, Numèro, Purple, including campaigns for Calvin Klein, Chanel, Hugo Boss, Gucci, Valentino, Roberto Cavalli and Hermès.
For those who say that being a model with tattoos is an impossible task, Freja is the living example of how 16 tattoos doesn't keep you from having talent and success.

⌘⌘⌘

É verdade, é verdade. Admito que gosto da versatilidade que a androginia traz a uma rapariga, especialmente se for modelo.
Freja foi descoberta na Dinamarca, o seu país de origem, por um agente que passava de taxi. Em 2005, durante Outono, a modelo desfilou em Paris e Milão para a Prada, Louis Vuitton e Miu Miu, quando esta última foi lançada.
Freja foi a cara de várias revistas e editoriais, entre elas a Vogue, W Magazine, Numèro e Purple, inclusivamente campanhas da Calvin Klein, Chanel, Hugo Boss, Gucci, Valentino, Roberto Cavalli e Hermès.
Para aqueles que dizem que ser-se modelo com tatuagens é uma missão impossível, Freja é o exemplo vivo de como 16 tatuagens não são, de todo, impeditórias de talento e sucesso.










Sem comentários:

Enviar um comentário